Governo quer garantir competitividade a empresa nacional no setor ferroviário

 

Brasília (30 de julho) – Há uma lacuna entre a capacidade de produção e o que resulta em oferta concreta da indústria nacional para atender a demanda do setor ferroviário brasileiro. A estratégia do governo para mudar essa realidade é garantir a “previsibilidade das regras do jogo”, a fim de atrair investimentos, e dar condições de competitividade às empresas nacionais. A avaliação é da secretária de Desenvolvimento da Produção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Heloisa Menezes, que abriu nesta terça-feira o “Seminário Ferrovias – Mobilidade Urbana, Transporte de Cargas e Indústria”, em Brasília.

“É preciso oferecer instrumentos para a indústria nacional ter melhores condições de competitividade e atrair investimentos quando eles ainda não estiverem disponíveis no Brasil. Também é necessário apoiar parcerias entre indústrias instaladas ou não no país que estejam dispostas a transferir tecnologias e fazer parcerias tecnológicas”, destacou.

Heloisa ainda disse que há grandes oportunidades para o setor de ferrovias e citou medidas que vem sendo utilizadas pelo Estado, no âmbito do Plano Brasil Maior, para impulsionar a indústria nacional, como as compras públicas diretas e o uso de margens de preferência para produtos nacionais. “São dois caminhos que podem ser utilizados para o aumento da demanda pública”, disse.

Parte dessa demanda diz respeito ao Programa de Investimentos em Logística, que prevê a aplicação R$ 91 bilhões na construção e modernização de 10 mil quilômetros de linhas férreas. Com o apoio do governo para melhorar as condições de competitividade das indústrias do segmento, a secretária da SDP disse esperar que as empresas nacionais de bens e de serviços participem e sejam bem-sucedidas nas licitações previstas. “Espero que vocês, empresários, participem e vençam as licitações”, sublinhou.

Para o secretário de Comércio e Serviços do MDIC, Humberto Ribeiro, os investimentos que serão feitos pelo Governo Federal e os projetos de concessão são uma oportunidade de o Brasil ganhar maturidade em infraestrutura.  “O Plano Brasil Maior prioriza uma convergência de esforços entre vários órgãos governamentais, como MDIC, Ministério dos Transportes, Secretaria de Portos, por exemplo, que fortalece o empreendedorismo dos operadores de serviços logísticos”, frisou.

Um dos destaques na área, segundo o secretário, é a etiqueta inteligente, que abrange vantagens como combate a roubo, pirataria, além do controle de cargas. A etiqueta também permite o controle em tempo real da localização de mercadorias, desde a fábrica, passando por transporte, validade e composição alimentar, até que elas cheguem às mãos dos clientes. Humberto Ribeiro destacou ainda o Catálogo de Oportunidades para Investimentos no Brasil, que vão além da infraestrutura logística, e podem atrair o interesse de grandes fundos de investimentos estrangeiros.

Seminário

Promovido pelo Grupo de Trabalho de Compras Públicas e Concessões do Plano Brasil Maior, que é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o seminário foi realizado no auditório do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), também um dos parceiros do projeto. O evento prossegue nesta quarta-feira (31), de 8h45 às 18h, no mesmo local - Auditório do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Esplanada dos Ministérios, Bloco K.

Entre os temas em debate desse dia estão: “Projetos em expansão da malha ferroviária”, “Situação da Indústria Ferroviária e perspectivas de investimento” e “Financiamento e incentivos”. Por parte da indústria, CAF, General Eletric, Progressive Rail, Amsted Maxion, Hewitt, Knorr-Bremse, Alstom e Weg estão entre os expositores. Fonte: MDIC


Rua Oscar Sperb, 16 - CEP 93415-395 - Novo Hamburgo (RS)
Telefone: (51) 3396-5100 / Fax: (51) 3396-5101 e (51) 3396-5102
E-mail: comercial@seifo.com.br
2017 - Seifo - Todos os direitos reservados! Desenvolvimento de Sites em Novo Hamburgo (RS) e Vale dos Sinos